Curso de Balonismo

Voar num balão de ar quente é algo que faz parte do imaginário da nossa infância.

Voar num balão de ar quente é algo que faz parte do imaginário da nossa infância e que nos persegue durante boa parte da nossa vida. Um dia ganhamos coragem e, experimentamos fazer aquela que virá a ser uma magnífica aventura de puro prazer e descontração. Ar, terra, água e fogo. Voar de balão significa entrar em sintonia com esses quatro elementos que regem a natureza, cruzando o céu embalado pelo sopro dos ventos. 

Está assim composta uma harmoniosa sinfonia, que dá a cada vôo um tom poético como se fosse a primeira vez a bordo do balão. O vôo de um balão também não é difícil de associar à aventura cinematográficas ou mesmo recordar-se de fantasias infantis. O mundo fica mais divertido e bonito visto de um balão. 

"Tudo começa ao nascer do sol. O balão, depois de ligado ao cesto, é desenrolado e, com a ajuda de um potente ventilador é enchido de ar frio tomando a sua forma. Depois chega a altura de aquecer os 2000m3 de ar com os potentes queimadores para que o balão comece a subir. 

Talvez seja fácil de adivinhar o que se sente ao entrar para aquele pequeno cesto, mas é indescritível o sentimento que nos atinge após a suavíssima descolagem. É a partir daqui que começa a realização de um verdadeiro sonho. 

Voa-se suavemente sem o mínimo de trepidação, por cima de montes e vales, rios, floresta, cumprimentam-se as pessoas que trabalham nos campos e vêm-se animais como coelhos e lebres. Não se dá conta que o tempo passou. A magia do passeio rapidamente chega ao fim, ao pousar no campo perto de um caminho de terra batida."

O balão recreativo é constituído por três elementos essenciais: o cesto de vime, ou gôndola, o envelope de nylon, que é o balão propriamente dito e, sobre o cesto, o queimador de gás propano que é utilizado para aquecer o ar existente dentro do balão. Assim, conforme ele esteja mais quente ou menos quente, o balão irá respectivamente subir ou descer.